terça-feira, 2 de setembro de 2008




VIRA O DISCO… E TOCA O MESMO
Uma nova posição


Antunes Ferreira
Algum tempo – mas pouco – depois do dia da Revolução, os trabalhadores da fábrica Meu Querido Patrão, já organizados em Comissão de, reuniram-se para decidir da gestão futura da unidade. O qu’rido bósse Serapião Sarzedas, mais conhecido pelo SS, basara apenas soubera do golpe. Gato escaldado…

Pessoal. Isto é para ir prá frentex! O orador, o Pinto, ganda pintarola, era já o Sicratário- giral. Vamos entrar por novos caminhos! Um dos presentes, a medo e à sorrelfa, perguntou – a pé, ou de vuátura? Ninguém lhe ligou pevide. Reaccionários sempre houve, carago.

Antes do mais. Quem é o camarada com piores condições aqui na empresa? Temos de ser todos iguais. O mesmo sussurro: mas uns mais do que os outros… Mau, Maria. Se descobrimos o sacana, é saneado e só não é fuzilado provisoriamente porque esta merda é uma revolução sem sangue, só cravos. Passaram à frente.

Era, indiscutivelmente, o Silva porteiro. Mil paus por mês, uma cagada em três actos. Pior: treze filhos, mulher ocupadíssima, ainda com tempo para fazer umas empadas para fora. Sempre ajudava. Pois’tá visto, o Silva. Chamou-se o homem. Camarada Silva, temos novidades para ti. O pobre do cidadão logo pensou para com os seus, dele, botões, estou frito, vou pró olho da rua, só m’acontecem desgraças, é tudo prejuízo, porra! Mas, nem piou. Falazar podia agravar…

Passas a ganhar dois mil e quinhentos escudos por mês e abono de família para os filhos. E, garanto-te em nome da CT, vamos arranjar-te uma nova posição! Estás contente? Se estava. Não lhe dera uma apopelacacia, ou algo assim, porque não calhara, nem tinha dinheiro para vícios. Amigos… (e o tal filho da puta sotto voce: camaradas, é o que agora se usa… ‘Da-se o gajo!)

Amigos, posso ir comunicar este monumento à minha Mariquinhas? Podes e deves. É pra já. E o Silva, ei-lo a correr desenfreado prá Graça, Rua sei lá de quem, quinto andar sem elevador. E sem GPS. Não sentia a quilometragem, muito menos as escadas galgadas a dois e dois. Nem se lembrou da chave. E boxeou valentemente a porta. Abriu-se. Ó homem-de-deus – o que aconteceu? Morreu alguém? Foste despedido? Nada, Mariquinhas, nada! Lá na fábrica vão arranjar-me uma nova posiçãooooooooo!!!!!

Um sorriso maroto na face dela:
- Ó homem!... Tu, também, só pensas nisso…


Esta é uma estória antiga, com barbas maiores do que as do Matusalem. Com ela, adaptada, que o mesmo é dizer embrulhada em papel novo, por este desgraçado escriba sentado nas pernas cruzadas à maneira hieroglífica, se inaugura a nova secção VIRA O DISCO… E TOCA O MESMO. Sem grande originalidade, diga-se. Mas bem melhor do que se fosse VIRAR A CASACA... Está também publicada no www.travessadoferreira.blospot.com

4 comentários:

joesio disse...

Caríssimo Antunes,
Muito honrado fiquei com a sua ilustre visita ao PORTAL DA POESIA e, principalmente, com os seus comentários. Espero encontrar-lhe mais vezes. Passear pela internet é passear "por mares nunca dantes navegados", ou seja, ao mesmo tempo em que nos deparamos com as tormentas marítimas, deparamo-nos com verdadeiros TITÃS da literatura, o que nos é prazeroso. Quando refiro-me a TITÃS, estou referindo-me aos da "terrinha", e isso inclui você.
Um forte abraço.

auau disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Auíri Au disse...

Obrigado pela visita..
Muito bom o seu blog...bem escrito, parabéns..Sou visitatente sempre que puder aqui!!
Abraços amigo!!

Táxi Pluvioso disse...

Se o Silva tivesse menos filhos, diria que é o Cavaco.